“SEREMOS ESCRAVOS OU HOMENS LIVRES?”

A pergunta é feita ao final do discurso de Viktor Orbán, Primeiro Ministro da Hungria e membro da Igreja Reformada Húngara (Magyarországi Református Egyház). A preleção sintetiza com clareza algumas das razões do Reino Unido ter deixado a União Europeia, o que reforça movimentos similares na Holanda, França, Suécia e Itália: perda de parcela da soberania nacional em área vitais como saúde, economia e educação, fim da autoridade sobre questões imigratórias e de parte da política externa, além da submissão de cada país a políticas ditadas por uma burocracia não eleita da cidade de Bruxelas, sede da União Europeia.