A NECESSIDADE DE SE REFUNDAR A REPÚBLICA

Marcelo Odebrecht disse aos procuradores da Lava Jato que Dilma Rousseff lhe pediu pessoalmente 12 milhões de reais por fora. Ele também confirmará que a campanha de Dilma foi financiada com propina depositada em contas no exterior – e não custa lembrar que ela tentou tirar Marcelo da prisão antes que ele abrisse a boca. Além de Marcelo, os delatores Delcídio do Amaral, Mônica Moura e Nestor Cerveró já denunciaram o envolvimento de Dilma no “Petrolão”.

Nas campanhas de 2010 e 2014, a Odebrecht distribuiu 100 milhões de reais no caixa dois. A delação de 50 executivos da empreiteira deverá pegar 13 governadores e 36 senadores.

Geddel Vieira, Romero Jucá, Renan Calheiros e Eduardo Cunha foram citados na delação de Léo Pinheiro. Ele também tratou de propina para as campanhas de Dilma com Guido Mantega e Luciano Coutinho, que combinaram a forma dos repasses com Edinho Silva.

Léo Pinheiro também contou à Lava Jato que, a pedido de Lula, a OAS passou a dar mesada à Rosemary Noronha, depois que ela perdeu o cargo de chefe do escritório da Presidência em São Paulo. O presidente da OAS também confirmou que o tríplex do Guarujá é de Lula, o que provaria que houve lavagem de dinheiro, assim como que foi o próprio Lula quem lhe pediu a reforma do sítio em Atibaia.

E tanto Marcelo Odebrecht como Léo Pinheiro dirão na sua delação que deram dinheiro para Aécio Neves, deixando um dos principais nomes da oposição em apuros.

Não vai sobrar ninguém em Brasília para apagar a luz.

Precisamos de mudanças urgentes e há alguns caminhos a seguir. Um deles é a sociedade civil protestando nas ruas até que as leis sejam mudadas e os corruptos punidos pela justiça vigorosamente. Não podemos desanimar até que as mudanças aconteçam de forma significativa. E, como cristãos, temos também a responsabilidade de estar sempre em oração pelo nosso país. Que Deus tenha misericórdia de nós!

 A NECESSIDADE DE REFUNDAR A REPÚBLICA