SERIA A HORA DE UMA GREVE GERAL?

O que falta para as organizações pró-impeachment convocarem, além das manifestações e panelaços, uma paralisação geral pacífica no país? O comércio, as lojas, as empresas, as indústrias, os caminhoneiros, os trabalhadores, todos parando o país por pelo menos um dia? Ou mesmo uma semana?

Esta seria uma ação eficaz para pressionar os parlamentares a se posicionar em relação ao impeachment, e apoiar a continuidade das investigações da Operação Lava jato. Esse também poderia ser um tempo de oração e jejum por parte do povo de Deus, como aconteceu entre os cristãos na Alemanha Oriental, às vésperas da queda do muro de Berlim, em 1989.

Parece que a única saída será parar o Brasil enquanto Dilma Rousseff não cair.

“Nas sociedades modernas em que os países democráticos dão às pessoas a liberdade para se reunir de modo pacífico em busca de mudança nas ações das autoridades, não vejo nada nas Escrituras que proíba os cristãos de participarem de grandes protestos públicos e pacíficos que reivindiquem ações importantes do governo. (…) Os protestos não são, necessariamente, destituídos de espiritualidade, tampouco negam a soberania de Deus nos eventos terrenos, pois reconhecem que a soberania divina muitas vezes opera por meio de ações humanas para realizar mudanças, reconhecendo também que a ação eficaz do homem é totalmente compatível com uma grande fé para crer que Deus atuará por meio de nossas ações, incluindo aquelas cujo propósito é influenciar as políticas de governo.”

Wayne Grudem e Barry Asmus, Economia e política na cosmovisão cristã (SP: Vida Nova, 2016), p. 64.

greve-geral