SOBRE OS CASOS DE ABUSO SEXUAL NA ALEMANHA

O número de denúncias por agressões contra mulheres ocorridas na noite de Ano Novo em Colônia e Hamburgo, na Alemanha, subiu para 516. Dessas, quase a metade correspondem a crimes sexuais. Por enquanto, 19 suspeitos foram identificados em Colônia. São muçulmanos árabes e magrebinos, a maioria requerentes de asilo.

Em Rotherham, na Inglaterra, entre 1997 e 2013, 1.400 garotas brancas foram estupradas, traficadas para outras cidades, agredidas e intimidadas. Assistentes sociais e políticos esquerdistas pressionaram os policiais a fechar os olhos, enquanto muçulmanos paquistaneses e nigerianos agiam livremente, estuprando garotas brancas. O Partido Trabalhista britânico alegou que tal postura buscava manter a paz social e a harmonia étnica. Ninguém foi demitido, nem assistentes sociais nem burocratas, só o chefe de polícia.

No Ocidente as mulheres são VÍTIMAS do estupro. Nas culturas islâmicas são as CULPADAS, podendo ser apedrejadas até a morte por crime de adultério.

O episódio bárbaro na noite de Ano Novo na Alemanha (assim como o infame caso inglês) é um lembrete não apenas de que o “multiculturalismo” é um completo fracasso, mas que o “politicamente correto” tornou os ocidentais impotentes, ao ponto de aceitarem livremente em seu território um inimigo que os odeia por completo, assim como seus antigos valores.

abusos