Canção infantil para o Natal de Cristo

“Este hino de Martinho Lutero foi publicado pela primeira vez em 1535. A causa da composição são os próprios filhos do reformador. Na realidade, trata-se de peça natalina. Ante o altar, apresentavam-se Maria, José, anjos e pastores, cercando a manjedoura. No hino, Lutero dramatiza o Evangelho de Natal. As estrofes 1-5 são cantadas pelo anjo; todos respondem com a estrofe 6. Então, as crianças se aproximam da manjedoura e cada uma delas canta uma estrofe. Para tanto são usadas as estrofes 7 a 12. A estrofe 13 é cantada por todos, em conjunto. A estrofe 14 está a indicar que, para finalizar, todos se davam as mãos e dançavam ao redor da manjedoura.

O hino encontra-se em Hinos para o Povo de Deus, nº 15 e no Hinário Luterano, nº 26″

[Fonte do texto e hino: http://www.lutero.com.br/novo/hinos_5.php].

1 – Eu venho a vós dos altos céus, Trazendo anúncio bom de Deus;
Da boa nova hei de cantar, Quero exaltar e jubilar.

2 – Menino lindo vos nasceu, Maria foi que à luz o deu;
É tão pequeno, terno e bom! Cantai louvor em claro tom!

3 – É Cristo, Deus, nosso Senhor, Liberta-vos de toda dor;
Vem mesmo para vos salvar E do pecado vos livrar.

4 – Felicidade singular O Pai vos soube preparar:
No Reino podereis entrar, Conosco sempre lá morar.

5 – Atentem! este é o sinal: No cocho, em fraldas, muito mal
Deitado está o que mantém O céu e a terra, e os sustém.

6 – Ó vinde todos jubilar, Com os pastores adorar
Olhai o que Deus Pai nos deu O bem-amado Filho seu.

7 – Vem, olha bem: que vês ali Nesta lapinha pobre aqui?
O menininho, quem será? É o Jesusinho que Deus dá!

8 – Ó sê bem-vindo, meu Senhor! Não desprezaste o pecador!
Tu vens comigo aqui sofrer – Como te posso agradecer?

9 – Ó Deus, de tudo o Criador, Como te humilhas, meu Senhor
Que em palha vieste te deitar P’ra vaca e burro alimentar.

10 – Se o mundo fosse bem maior, De prata e ouro – que esplendor!
Lugar não ia oferecer P’ra de bercinho te servir.

11 – O teu veludo e sedas são Fraldinhas, palha em duro chão.
São tua pompa, o reino teu, Como se fosse o próprio céu.

12 – Isso fizeste, Rei sem par, Para a verdade nos mostrar
Que toda glória, bens, poder Perante ti não têm valor.

13 – Amado Jesusinho meu, Vem tu fazer o berço teu
Bem fofo no meu coração, Jamais te esquecerei então.

14 – Alegre sempre eu estarei, Feliz, dançando, exaltarei.
De coração te vou cantar Suave canto de ninar.

15 – Louvor e glória ao Pai no céu, Que o Filho amado ao mundo deu! Os anjos jubilando estão, Nos cantam ano novo e bom.

[Imagem: “Adoration of the Shepherds” by Gerard van Honthorst, 1622.]