Pela graça de Deus

 

Para mim é sempre uma alegria ouvir meu amigo Jonas Madureira. Junto com Davi Charles Gomes, estamos falando no 6º Encontro da Fé Reformada, em Porto Alegre, RS. 12185205_947585891981826_3441797741385160534_o

Em sua primeira palestra, ele faz esta citação muito perceptiva do filósofo Luc Ferry (Aprender a viver: filosofia para os novos tempos):

“Como de fato operam as religiões em face da ameaça suprema que elas dizem que podemos superar? Basicamente pela fé. É ela, e somente ela, na verdade, que pode fazer derramar sobre nós a graça de Deus: se você acredita em Deus, ele o salvará, dizem elas. Para isso, exigem antes de tudo uma outra virtude, a humildade, que, segundo elas — e é o que não deixam de repetir os maiores pensadores cristãos, de Santo Agostinho a Pascal —, se opõe à arrogância e à vaidade da filosofia. Por que essa acusação lançada contra o livre pensamento? Porque este também pretende nos salvar, se não da morte, pelo menos das angústias que ela provoca, mas por nossas próprias forças e em virtude apenas de nossa razão. Por não conseguir acreditar num salvador, o filósofo é antes de tudo aquele que pensa que, se conhecemos o mundo, compreendendo a nós mesmos e compreendendo os outros, tanto quanto nossa inteligência o permite, vamos conseguir, pela lucidez e não por uma fé cega, vencer nossos medos. Em outras palavras, se as religiões se definem como ‘doutrinas da salvação’ POR UM OUTRO (), as grandes filosofias poderiam ser definidas como ‘doutrinas da salvação’ POR SI MESMO (sem a ajuda de Deus)”.