A morte de Stálin

As Graphic Novels francesas com temas históricos são ótimas. Muito bem escritas e desenhadas, e dirigidas a um público adulto, têm profundidade e realismo muitas vezes ausentes nas similares norte-americanas, que geralmente tratam de super-heróis. Infelizmente ainda não chegaram aqui no Brasil as séries Ciel en Ruine, Le Grand Duc, Les Aigles de Rome e Murena, entre outras. Mas, finalmente, foi lançada a premiada A morte de Stalin (La mort de Staline), em primorosa edição nacional.

Tão logo Josef Stálin, o homem mais poderoso da União Soviética e um dos líderes mais temidos do mundo, sofreu um derrame cerebral (que o matou em março de 1953), começaram as conspirações, encabeçadas por Lavrenti Béria e Nikita Kruschev, para sucedê-lo. Em meio à paranoia e ao medo que dominavam os centros de decisão socialistas, a trama retrata o momento crucial de uma das mais terríveis experiências políticas do século XX.988919_836628199744263_8961320016148983204_n