As virtudes da guerra

LEITURAS DE FÉRIAS IV
Steven Pressfield é um mestre do romance épico. Seu livro de estreia foi uma das melhores ficções históricas que li, Portões de Fogo, sobre os espartanos e a Batalha das Termópilas. Ele também escreveu Tempos de Guerra, sobre a Guerra do Peloponeso; Campanha do Afeganistão, sobre as guerras de guerrilha de Alexandre o Grande naquele país; Caçando Rommel, ambientado no Norte da África na Segunda Guerra Mundial, retrata uma equipe do LRDG (uma força de elite inglesa) caçando o famoso marechal-de-campo alemão.
As Virtudes da Guerra é um romance sobre Alexandre o Grande. Só que esta não é apenas uma obra sobre a impressionante carreira militar do general macedônio que venceu todas as batalhas que travou – Queroneia, Grânico, Isso, Gaugamela, Afeganistão e Hidaspes, retratadas no livro não na perspectiva do combate corpo-a-corpo, mas na de quem comanda. Esta obra é, na verdade, um tratado sobre a construção da liderança, o uso da logística, o cuidado com os apetrechos, o pensar tanto no nível tático como no estratégico, a manutenção da moral, cobrindo todos os aspectos da arte militar. Tudo isso a partir da ótica do homem que, com 32 anos, nunca foi derrotado em batalha e conquistou todo o mundo conhecido.11011230_809170859156664_1535474696449268412_n